Mapa do Site

Dedos ou polegar extra: Polidactilia

A polidactilia é uma das malformações da mão mais frequentes.

Na polidactilia da mão existem mais de quatro dedos ou mais de um polegar. Pode ocorrer ao lado do polegar (denominando-se polidactilia pré-axial ou duplicação do polegar), ao lado do mindinho (denominando-se polidactilia pós-axial) ou os dedos centrais (polidactilia central). A polidactilia pré-axial é mais frequente na raça branca e a pós-axial na negra. A polidactilia central não é frequente.
 

Mindinho extra (polidactilia pós-axial)

A polidactilia pós-axial no individuo branco, ao contrário do observado na raça negra negra, não é frequente e pode ser indicativa de um síndrome subjacente (encaminharemos estas crianças ao pediatra e geneticista). Habitualmente é hereditária.

O dedo extra pode estar completamente desenvolvido, como um dedo normal (tipo A) (Figura 18) ou ser rudimentar e pediculado (tipo B, em forma de uma bola que pende no mindinho) (Figura 19).
 

CMI

Figura 18. Polidactilia do mindinho tipo A. Dedo completamente formado.

 

 CMI 

Figura 19A. Polidactilia do mindinho tipo B. Dedo rudimentar em forma de esfera presa por um pedículo à mão.

 

O tipo B pode ser tratado a seguir ao nascimento na enfermaria mediante uma ligadura (estrangulamento com um hilo ou mini grampo) (Figura 19B).

CMI

 

Figura 20. Estrangulamento do mindinho rudimentar extra com um mini grampo.

O tipo A requere tratamento em sala cirúrgica. A cirurgia não é simplesmente cortar o dedo extra, sendo que é necessário uma reconstrução articular reconstruindo músculos e ligamentos para evitar desvios do dedo no futuro. Opera-se cerca do ano de vida.

 

Pulgar extra (duplicação pulgar o polidactilia pré-axial)

A duplicação do polegar (polidactilia pré-axial) não costuma ser hereditária, afectando somente uma mão e não se associando a outras malformações.

Portanto não é necessário enviar a criança ao pediatra ou ao geneticista.
O polegar está dividido a um nível variável (desde a ponta à base do polegar, classificação de Wassel). Mais frequentemente divide-se ao nível do nós (Figura 20).
 

 CMI 

Figura 20A. Pulgar duplicado ao nível da base do polegar. Denomina-se tipo IV de Wassel.

falta 20B

Figura 20B. Radiografia onde se observa que a divisão produz-se ao nível da primeira falange (primeira e segunda falanges duplicadas)

 

A cirurgia não é simplesmente cortar o dedo extra, sendo que é necessário uma reconstrução articular reconstruindo músculos e ligamentos para evitar desvios do dedo no futuro (Figura 20C). Opera-se cerca do ano de vida, momento em que as crianças começam a utilizar a pinça com o polegar.

 

CMI

Figura 20C. Reconstruiu-se o polegar recolocando ligamentos e musculatura do polegar. A agulha é mantida durante 3 semanas enquanto estes cicatrizam.

 

Um caso especial é a mão em espelho (dimelia ulnar). Ver secção.

A paralisia braquial obstétrica - Displasia do ombro
Causas, mecanismos e lesões na PBO
Risco de PBO. Provas necessárias
Tratamento da PBO (Cirurgia, Fisioterapia)
Problemas de ombro de uma criança com PBO
Prevenção e Risco de CRIO e DGU
Diagnóstico e tratamento da Displasia do Ombro
Que profissional necessita o meu bebé?
Experiencia do Dr. Soldado
Malformações
Polgar curto ou ausente: hipoplasia do polegar
Pulso desviado: Mão bota radial e cubital
Dedos curtos: Braquidactilia, Simbraquidactilia, Síndrome da Brida Amniótica.
Menos dedos: Mão dividida e mão bota cubital
Dedos ou polegar extra: Polidactilia
Dedos unidos ou Sindactilia
Paralisia cerebral - Hemiparesia espástica
Definição, generalidades e avaliação de paralisia cerebral
Problemas no membro superior de crianças com hemiparesia espática
Tratamento não cirúrgico da hemiparesia espástica
O membro superior na paralisia cerebral com tetraparesia espástica
Tratamento cirúrgico da hemiparesia espástica
Microcirurgia
Microcirurgía vascular pediátrica: generalidades
Reconstrução de perdas ósseas I: Transferência de perónio vascularizado
Reconstrução de perdas ósseas II: Transferência de periósteo de perónio vascularizado
Não-união ou pseudo-artrose recalcitrante de osso
Revascularização de osso (osteonecrose, necrose asséptica)
Reconstrução de articulações. Transferência de epífises e cartilagem de crescimento vascularizada do perónio
Reimplantes e revascularizações
Transferência de músculo funcional (vascularizado e inervado)
Cobertura de perdas de pele
Fracturas - Feridas
Generalidades das fracturas
Fracturas típicas do osso na criança
Tratamento das fracturas na criança: generalidades
Classificação e tratamento das fracturas na placa de crescimento
Fracturas da cintura escapular, ombro e braço da criança
Fracturas do cotovelo da criança
Fracturas do antebraço e punho da criança
Fracturas da mão da criança
Feridas do membro superior da criança
Francisco Soldado
Vídeos Doutor Francisco Soldado
CV
Publicações
Apoio à Pesquisa
Casos conhecidos como o seu
Cooperación internacional: Misiones quirúrgicas
Enlaces Médicos
© 2001-2019 Francisco Soldado.Política de PrivacidadeAviso LegalPolítica da Qualidade Website by