Mapa do Site

Dedos unidos ou Sindactilia

A sindactilia é uma das malformações da mão mais frequentes. Em metade das crianças afecta as duas mãos. Num terço dos casos é hereditária.

Dois ou mais dedos estão unidos. A sindactilia é completa quando afecta toda a longitude dos dedos e incompleta se é parcial (Figura 21 e 22A).
 

CMI

Figura 21. Sindactilia completa entre os dedos medio e anular. Marcada a incisão cirúrgica.

 

 CMI 

Figura 22A. Sindactilia parcial e simples entre os dedos medio e anular.

 

A sindactilia é simple se estão unidos só pela pele (Figura 22A). Os dedos podem estar unidos também pelo osso, denominando-se se sindactilia complexa(Figura 23).

CMI

Figura 23. Radiografia que demonstra uma sindactilia complexa pois a ponta dos dedos está fundida ao nível ósseo pelo extremo da terceira falange.

 CMI 

Figura 23B. Radiografia que mostra uma sindactilia complicada

 

A sindactilia requere tratamento cirúrgico para dar função individual aos dedos. Normalmente a separação é realizada aos 12-18 meses. Porém, a sindactilia dos dedos dos bordos da mão (mindinho e polegar) requere uma separação nos primeiros meses de vida.

A técnica mais utilizada é a separação dos dedos e “enchimento” das zonas onde falta pele com enxerto de pele da virilha ou punho. Contudo, com esta técnica os resultados estéticos não são excelentes e apresentam algumas complicações a longo prazo (cicatrizes que impedem a extensão completa do dedo, hiperpigmentação,etc) (Figura 24).
 

 CMI 

Figura 24.  Resultado da separação de uma sindactilia vários anos depois pela técnica habitual com uso de enxerto livre de pele. Observe as cicatrizes residuais e a hiperpigmentação do enxerto.

 

O Dr Soldado utiliza uma técnica que não precisa enxerto de pele cem excelentes resultados estéticos e sem complicações. (FIG 22B e 22C)

CMI

Figura 22B. Observa-se a incisão marcada na pele e o desenho do retalho de pele vascularizado do dorso da mão para proporcionar pele à comissura e evitar a necessidade de enxerto de pele e suas complicações.

 

CMI

Figura 22C. Resultado da separação da sindactilia mediante da técnica do Dr Soldado.

 

Casos especiais de sindactilia complexa ocorrem nos síndromes de Apert, Banda amniótica e Simbraquidactilia (ver outras secções).


 

CMI

Figura 25A.  . Sindactilia da primeira comissura. Sem primeira comissura o polegar não tem espaço para realizar a pinça.

CMI

Figura 25B. Desenho do retalho de Ghani para abrir a primeira comissura

  CMI  

Figura 25C. Imagem pós-operatoria imediata demostrando a excelente abertura da primeira comissura. A função de pinça do polegar será realizada perfeitamente.

 

Sindactilia de primeira comissura

De forma igual às sindactilias da 4ª comissura, as sindactilias da primeira comissura, requerem tratamento precoce (6 meses de idade aproximadamente). A razão é que os dedos mais curtos (polegar ou mindinho) crescem menos rapidamente que os dedos adjacentes provocando uma deformidade em flexão e rotação dos mesmos por um fenómeno de "rédea". Na sindactilia da primeira comissura a técnica de eleição el el retalho de avance e rotação e Ghani (Figura 25 -C).

A paralisia braquial obstétrica - Displasia do ombro
Causas, mecanismos e lesões na PBO
Risco de PBO. Provas necessárias
Tratamento da PBO (Cirurgia, Fisioterapia)
Problemas de ombro de uma criança com PBO
Prevenção e Risco de CRIO e DGU
Diagnóstico e tratamento da Displasia do Ombro
Que profissional necessita o meu bebé?
Experiencia do Dr. Soldado
Malformações
Polgar curto ou ausente: hipoplasia do polegar
Pulso desviado: Mão bota radial e cubital
Dedos curtos: Braquidactilia, Simbraquidactilia, Síndrome da Brida Amniótica.
Menos dedos: Mão dividida e mão bota cubital
Dedos ou polegar extra: Polidactilia
Dedos unidos ou Sindactilia
Paralisia cerebral - Hemiparesia espástica
Definição, generalidades e avaliação de paralisia cerebral
Problemas no membro superior de crianças com hemiparesia espática
Tratamento não cirúrgico da hemiparesia espástica
O membro superior na paralisia cerebral com tetraparesia espástica
Tratamento cirúrgico da hemiparesia espástica
Microcirurgia
Microcirurgía vascular pediátrica: generalidades
Reconstrução de perdas ósseas I: Transferência de perónio vascularizado
Reconstrução de perdas ósseas II: Transferência de periósteo de perónio vascularizado
Não-união ou pseudo-artrose recalcitrante de osso
Revascularização de osso (osteonecrose, necrose asséptica)
Reconstrução de articulações. Transferência de epífises e cartilagem de crescimento vascularizada do perónio
Reimplantes e revascularizações
Transferência de músculo funcional (vascularizado e inervado)
Cobertura de perdas de pele
Fracturas - Feridas
Generalidades das fracturas
Fracturas típicas do osso na criança
Tratamento das fracturas na criança: generalidades
Classificação e tratamento das fracturas na placa de crescimento
Fracturas da cintura escapular, ombro e braço da criança
Fracturas do cotovelo da criança
Fracturas do antebraço e punho da criança
Fracturas da mão da criança
Feridas do membro superior da criança
Francisco Soldado
Vídeos Doutor Francisco Soldado
CV
Publicações
Apoio à Pesquisa
Casos conhecidos como o seu
Cooperación internacional: Misiones quirúrgicas
© 2001-2019 Francisco Soldado.Política de PrivacidadeAviso LegalPolítica da Qualidade Website by