Mapa do Site

Pulso desviado: Mão bota radial e cubital

Mão bota radial ou deficiência radial



Na mão bota radial ou deficiência radial não se forma correctamente o lado lateral do antebraço e mão (lado do rádio e polegar). Como o osso desta parte denominado Rádio é mais curto, o punho se desvia para fora. Além disso, o antebraço tem a metade da longitude do normal e o polegar costuma estar afectado (ver secção hipoplasia do polegar) (Fig 5).

CMI

Figura 5. Mão bota radial. A mão está desviada, o antebraço é muito curto e não existe polegar.

 

O grau das alterações é variável. Segundo a radiografia estabelecemos diferentes grupos na classificação de Bayne (Fig 6).

CMI

Figura 6. Radiografia de uma mão bota radial. Só existe uma pequena parte do rádio (tipo Bayne III) pelo que a mão se desvia.

 

A deficiência radial é o exemplo clássico de paciente que requere avaliação médico-genética pois se associa aproximadamente em 30% dos casos a síndromes (os mais frequentes: do sangue (Anemia Fanconi, Sd TAR), do coração (Holt -Oram) e VACTERL) e em 30% a malformações do ráquis(5). Por protocolo é realizado uma radiografia da coluna, ecografia renal e ecocardiograma para excluir estes síndromes associados, no entanto podemos necessitar de outros estudos.

O tratamento habitual é denominado “centralização do carpo” porque centramos a mão no cúbito para coloca-la em linha com o antebraço. É realizado por volta do ano de vida. O problema deste tratamento é tendência a redesviar-se o punho e ter pouca mobilidade (Figura 7).

 

CMI

Figura 7. Vários anos depois da centralização. Ainda que seja melhorada a posição da mão, é evidente que esta se re-desviou.

O Dr Soldado aplica técnicas de microcirurgia para obter melhores resultados (punho com menor redesvio e maior mobilidade).
Depois de tratar o desvio do punho, temos que reconstruir o polegar (ver secção de Hipoplasia Pulgar). Ao aproximar da adolescência podemos alargar el antebraço.

 

Mão bota cubital ou deficiência ulnar

Na deficiência ulnar ou mão bota cubital não se forma corretamente o lado interno (lado do cúbito e mindinho). O osso desta parte denominado cúbito é mais curto e o punho está desviado para diante, além de que faltam dedos no lado interno (Figura 8 e 9). O principal problema é que o polegar costuma estar malformado (70%, ver hipoplasia do polegar) e os dedos existentes costumam apresentar sindáctilias (30%, Ver Sindactilia). O mais importante para melhorar a função destas mãos é reconstruir o polegar (por volta do primeiro ano de idade) e depois as sindactilias.

 CMI 

Figura 8. Deficiência ulnar menor onde apenas dedo mindinho está ausente. O resto de estruturas e a função são normais.

 

CMI
 

Figura 9. Mão bota cubital. El antebraço é mais curto, o punho está flexionado e os dedos com sindactilia.


A diferença em relação à mão bota radial, é que não se associa a síndrome, porém sim a outras malformações (coluna e extremidade inferior) e é recomendado explorar as extremidades inferiores e fazer uma radiografia da coluna.

A paralisia braquial obstétrica - Displasia do ombro
Causas, mecanismos e lesões na PBO
Risco de PBO. Provas necessárias
Tratamento da PBO (Cirurgia, Fisioterapia)
Problemas de ombro de uma criança com PBO
Prevenção e Risco de CRIO e DGU
Diagnóstico e tratamento da Displasia do Ombro
Que profissional necessita o meu bebé?
Experiencia do Dr. Soldado
Malformações
Polgar curto ou ausente: hipoplasia do polegar
Pulso desviado: Mão bota radial e cubital
Dedos curtos: Braquidactilia, Simbraquidactilia, Síndrome da Brida Amniótica.
Menos dedos: Mão dividida e mão bota cubital
Dedos ou polegar extra: Polidactilia
Dedos unidos ou Sindactilia
Paralisia cerebral - Hemiparesia espástica
Definição, generalidades e avaliação de paralisia cerebral
Problemas no membro superior de crianças com hemiparesia espática
Tratamento não cirúrgico da hemiparesia espástica
O membro superior na paralisia cerebral com tetraparesia espástica
Tratamento cirúrgico da hemiparesia espástica
Microcirurgia
Microcirurgía vascular pediátrica: generalidades
Reconstrução de perdas ósseas I: Transferência de perónio vascularizado
Reconstrução de perdas ósseas II: Transferência de periósteo de perónio vascularizado
Não-união ou pseudo-artrose recalcitrante de osso
Revascularização de osso (osteonecrose, necrose asséptica)
Reconstrução de articulações. Transferência de epífises e cartilagem de crescimento vascularizada do perónio
Reimplantes e revascularizações
Transferência de músculo funcional (vascularizado e inervado)
Cobertura de perdas de pele
Fracturas - Feridas
Generalidades das fracturas
Fracturas típicas do osso na criança
Tratamento das fracturas na criança: generalidades
Classificação e tratamento das fracturas na placa de crescimento
Fracturas da cintura escapular, ombro e braço da criança
Fracturas do cotovelo da criança
Fracturas do antebraço e punho da criança
Fracturas da mão da criança
Feridas do membro superior da criança
Francisco Soldado
Vídeos Doutor Francisco Soldado
CV
Publicações
Apoio à Pesquisa
Casos conhecidos como o seu
Cooperación internacional: Misiones quirúrgicas
Enlaces Médicos
© 2001-2019 Francisco Soldado.Política de PrivacidadeAviso LegalPolítica da Qualidade Website by