Mapa do Site

Reconstrução de perdas ósseas I: Transferência de perónio vascularizado

As perdas de segmentos-troços grandes de osso podem ocorrer por diferentes motivos; mais frequentemente pela resecção-extirpação de um tumor maligno, após fracturas graves ou infecções (Figura 4A).

A vantagem de transferir um osso vascularizado, é que se une com a mesma velocidade do osso normal, como se de uma fractura se tratasse.(Fig. 4B-C). Por outro lado, o seu tamanho adapta-se às necessidades da carga. Por exemplo, um perónio vascularizado colocado na tíbia, aumentará de tamanho até poder suportar as cargas necessárias na extremidade (Fig. 1D).
 

CMI

Figura 4A. Paciente de 11 anos com sequelas de tratamento de um tumor maligno do cúbito do antebraço esquerdo. Após a extirpação do tumor, aos 8 anos de idade, colocou-se um perónio NÃO vascularizado que não se integrou. Sofreu várias fracturas, as quais se tentaram solucionar com o uso de placas e parafusos. Durante anos precisou de uma ortose para proteger o antebraço. O cúbito apresenta uma não-união ou pseudartrose que não pode ser solucionada com técnicas convencionais devido ao facto de não estar vascularizado. A melhor opção de reconstrução é a microcirúrgica, transplantando um perónio vascularizado para substituir quase todo o cúbito e manter os movimentos do cotovelo e de rotação do antebraço.

CMI

Figura 4B. O perónio vascularizado uniu-se com êxito e permitirá restabelecer a função do antebraço.

 

CMI

Figura 4C. Movimentos do cotovelo e antebraço restabelecidos. O tratamento biológico microcirúrgico, ao ser estável, permitirá que a função conseguida se mantenha ao longo da vida.


A transferência do perónio vascularizado é a técnica mais utilizada para reconstruir os defeitos grandes dos ossos longos. É a técnica ideal quando a causa é uma infecção da extremidade superior do osso nos ossos longos. Na extremidade inferior, devido às grandes cargas que suporta, é melhor combinar varias técnicas cirúrgicas . Pelo contrário, a criança não poderá realizar carga normal durante meses e deverá usar muletas. Uma opção não microcirúrgica nem biológica, é a substituição do osso por osso do banco de tecidos (de dador humano cadáver) que é um osso desvitalizado e preservado em congelador (Alo-enxerto estrutural criopreservado) (Fig. 5A-C). Com esta técnica consegue-se estabilidade rápida do osso, porém, por ter uma baixa taxa de integração no organismo, apresenta múltiplas complicações no futuro.

.

Combinando ambos tratamentos obteremos as vantagens de ambos: estabilidade (Alo-enxerto) e capacidade biológica (retalho ósseo vascularizado) (Fig. 6). Esta é denominada Técnica de Capanna.

CMI

Figura 5A. Segmento de fémur obtido de dador cadáver e preservado por congelação (Alo-enxerto estrutural ósseo). O seu uso para suprir defeitos do osso permite uma estabilidade imediata, porém, por não se integrar no organismo, não alcançará umas resistências normais (o paciente deverá utilizar muletas ou ortoses externas) e apresentará múltiplas complicações.

CMI

Figura 5B. Ressonância magnética mostrando um tumor maligno (Sarcoma de Ewing) do fémur. Ao ser extirpado, teremos que reconstruir o defeito ósseo.

CMI

Figura 5C. Radiografia mostrando a substituição de 18 centímetros de fémur extirpados devido a um sarcoma de Ewing por um alo-enxerto estrutural. O conjunto é estabilizado com uma cavilha intramedular.

CMI

Figura 6. Neste osteossarcoma (tumor maligno do osso) do fémur, foram combinadas duas técnicas após a extirpação de 20 cm fémur: alo-enxerto estrutural para dar estabilidade inicial até que o perónio vascularizado se integre e aumente de tamanho. O conjunto é estabilizado com um uma placa.

A paralisia braquial obstétrica - Displasia do ombro
Causas, mecanismos e lesões na PBO
Risco de PBO. Provas necessárias
Tratamento da PBO (Cirurgia, Fisioterapia)
Problemas de ombro de uma criança com PBO
Prevenção e Risco de CRIO e DGU
Diagnóstico e tratamento da Displasia do Ombro
Que profissional necessita o meu bebé?
Experiencia do Dr. Soldado
Malformações
Polgar curto ou ausente: hipoplasia do polegar
Pulso desviado: Mão bota radial e cubital
Dedos curtos: Braquidactilia, Simbraquidactilia, Síndrome da Brida Amniótica.
Menos dedos: Mão dividida e mão bota cubital
Dedos ou polegar extra: Polidactilia
Dedos unidos ou Sindactilia
Paralisia cerebral - Hemiparesia espástica
Definição, generalidades e avaliação de paralisia cerebral
Problemas no membro superior de crianças com hemiparesia espática
Tratamento não cirúrgico da hemiparesia espástica
O membro superior na paralisia cerebral com tetraparesia espástica
Tratamento cirúrgico da hemiparesia espástica
Microcirurgia
Microcirurgía vascular pediátrica: generalidades
Reconstrução de perdas ósseas I: Transferência de perónio vascularizado
Reconstrução de perdas ósseas II: Transferência de periósteo de perónio vascularizado
Não-união ou pseudo-artrose recalcitrante de osso
Revascularização de osso (osteonecrose, necrose asséptica)
Reconstrução de articulações. Transferência de epífises e cartilagem de crescimento vascularizada do perónio
Reimplantes e revascularizações
Transferência de músculo funcional (vascularizado e inervado)
Cobertura de perdas de pele
Fracturas - Feridas
Generalidades das fracturas
Fracturas típicas do osso na criança
Tratamento das fracturas na criança: generalidades
Classificação e tratamento das fracturas na placa de crescimento
Fracturas da cintura escapular, ombro e braço da criança
Fracturas do cotovelo da criança
Fracturas do antebraço e punho da criança
Fracturas da mão da criança
Feridas do membro superior da criança
Francisco Soldado
Vídeos Doutor Francisco Soldado
CV
Publicações
Apoio à Pesquisa
Casos conhecidos como o seu
Cooperación internacional: Misiones quirúrgicas
© 2001-2019 Francisco Soldado.Política de PrivacidadeAviso LegalPolítica da Qualidade Website by